Você está aqui: Página Inicial Serviços Sala de Imprensa Notícias 2011 06 Com tijolos que esfarelam nas mãos, assentados constroem suas casas em Corumbá

Com tijolos que esfarelam nas mãos, assentados constroem suas casas em Corumbá

última modificação 31/10/2012 10:55

Inspeção realizada pelo MPF no assentamento São Gabriel detectou irregularidades na construção de moradias. Materiais degradados põem em risco a segurança dos trabalhadores.

Com tijolos que esfarelam nas mãos, assentados constroem suas casas em Corumbá

Ao serem apertados, tijolos destinados à construção das casas esfarelam.

“Uma total falta de planejamento na aquisição e distribuição dos materiais para a construção das moradias dos assentados”, assim resume o relatório de inspeção realizada pelo Ministério Público Federal (MPF) no Assentamento São Gabriel, em Corumbá, Mato Grosso do Sul.

Em inspeção in loco, o MPF constatou diversas irregularidades no projeto rural. Além de problemas no abastecimento de água, desativação de escola pública e precariedade no atendimento médico, o assentamento apresenta flagrantes erros nas ações para sua implantação.

A falta de planejamento resultou em materiais de má qualidade, desperdício e atraso na construção de moradias. Produtos foram entregues em lotes desocupados ou condenados e adquiridos com base no número total, e não real, dos lotes. Tijolos destinados à construção das casas esfarelam ao serem apertados e as telhas parecem não ter sido devidamente 'queimadas', o que põe em risco a segurança dos trabalhadores.

Além disso, os materiais foram distribuídos aleatoriamente, sem seguir um cronograma para a construção. Areia, malhas de aço, manilhas e britas foram recebidas por último, depois de madeiras, portas e janelas. O cimento demorou até 3 anos para ser entregue e, em alguns casos, ainda não chegou.

Sem local adequado para armazenagem, os produtos ficaram expostos a céu aberto e se degradam. Com erros no projeto e produtos de baixa qualidade, os assentados constroem suas casas e recorrem, muitas vezes, a recursos próprios para finalizar a construção.

Sem abastecimento de água

Além da dificuldade em edificar moradias, os trabalhadores do Assentamento São Gabriel continuam com problemas no acesso à água. A rede instalada é ineficaz e os assentados são obrigados a pagar pela água vendida por caminhão pipa. Há vazamentos visíveis e as caixas d´água foram rebaixadas porque as estruturas instaladas não suportam o peso.

Este ano, análise realizada pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) da Secretaria Estadual de Saúde revelou a presença da bactéria Escherichia coli, que é indicativo de contaminação da água com fezes humanas.

Para agravar a situação, uma nova obra, que pretendia recuperar a rede existente, foi paralisada quando estava perto de ser concluída, por inadimplência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), que apenas pagou uma das três parcelas da obra à empresa contratada.

Para o Ministério Público Federal, a situação de grande parte dos assentados é “lastimável e flagrantemente fere a dignidade assegurada pela Constituição Federal a toda pessoa humana”. “Tal situação, segundo verificado até o momento, deve-se, primordialmente, à grande falta de planejamento das ações realizadas pelo Incra e à imensa ineficiência do instituto em coordenar, fiscalizar, enfim, levar a cabo suas missões institucionais”.


Confira vídeo e fotos da inspeção realizada pelo MPF.


Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul
(67) 3312-7265 / 9297-1903
(67) 3312-7283 / 9142-3976
www.prms.mpf.gov.br
ascom@prms.mpf.gov.br
www.twitter.com/mpf_ms

Ações do documento