Você está aqui: Página Inicial Serviços Sala de Imprensa Notícias 2011 06 MPF instaura inquérito civil para investigar despesas realizadas pelo Incra na defesa de aquisição de fazenda superfaturada em Corumbá

MPF instaura inquérito civil para investigar despesas realizadas pelo Incra na defesa de aquisição de fazenda superfaturada em Corumbá

última modificação 15/06/2011 14:33

Em contenção de despesas, órgão não economiza recursos para tentar reverter decisão judicial, que suspendeu gasto irregular de R$ 7,5 milhões

O Ministério Público Federal (MPF) instaurou inquérito civil para investigar em que circunstâncias o Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra) produziu documentos que tentam reverter a decisão judicial que suspendeu os pagamentos dos títulos emitidos na compra da fazenda São Gabriel, em Corumbá. Em setembro passado, a Justiça atendeu pedido do MPF e suspendeu o pagamento dos títulos da dívida agrária emitidos para aquisição da fazenda. Investigação apontou superfaturamento de R$ 7,5 milhões na transação.

O Incra apresentou registro fotográfico aéreo e terrestre da região da fazenda, para tentar justificar pedido de inspeção judicial nos imóveis vizinhos à propriedade. O objetivo é provar que a fazenda valeria mesmo R$ 21 milhões. O Incra já havia pago mais de R$ 14 milhões, até a suspensão dos pagamentos pela Justiça. Os peritos do MPF concluíram que o valor real da fazenda, na época da compra pelo Incra (2005), era de pouco mais de R$ 13 milhões.

Na impugnação ao pedido do Incra, o Ministério Público Federal afirma que não há  qualquer elemento que “confira um mínimo de credibilidade à avaliação do Instituto, bem como não explica porque existiram tantos 'equívocos', todos sempre em benefício dos ex-proprietários da fazenda”. Cita ainda a “enorme surpresa com o aparato empregado pelo Instituto para tentar desacreditar o laudo pericial” do MPF. Houve a utilização de avião para fotos aéreas e o deslocamento de uma equipe para a região da fazenda, para fotos terrestres de áreas vizinhas à São Gabriel. 

Ações recentes do MPF revelam que o órgão não demonstra o mesmo empenho para resolver questões relativas a assentamentos em Mato Grosso do Sul, como a denúncia de contaminação da água de mais de mil famílias em oito assentamentos em Corumbá por coliformes fecais. No próprio assentamento São Gabriel, a recuperação da rede de distribuição foi interrompida por falta de pagamento à empresa contratada.

Irregularidades no fornecimento de materiais para construção de moradias e até mesmo a possível invasão irregular de área de assentamento por uma empresa mineradora também são investigadas pelo MPF. O Incra alega falta de pessoal para realizar a fiscalização da execução dos contratos de obras e serviços nos assentamentos. O Instituto também alega que um decreto presidencial suspendeu a concessão de diárias e passagens para  vistorias em campo.

Para o MPF, “parece que tal vedação se aplica apenas às ações para melhoria das condições dos assentamentos e correção de irregularidades existentes, mas não para a realização de atos destinados à defesa de aquisições de fazendas superfaturadas”.

Referência processual na Justiça Federal de Corumbá: 0000931-62.2010.403.6004

 

Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul
(67) 3312-7265 / 9297-1903
(67) 3312-7283 / 9142-3976
www.prms.mpf.gov.br
ascom@prms.mpf.gov.br
www.twitter.com/mpf_ms

Ações do documento