Você está aqui: Página Inicial Serviços Sala de Imprensa Notícias 2011 09 UFMS tem que retirar todos os nomes de pessoas vivas de seus prédios

UFMS tem que retirar todos os nomes de pessoas vivas de seus prédios

última modificação 14/09/2011 11:54

Medida integra série de recomendações encaminhadas à universidade. UFMS regularizará o nome de seus imóveis em até 90 dias.

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou à Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) para que renomeie os prédios que fazem referência a pessoas vivas. Foram identificados  27 imóveis em situação irregular em todo estado. A universidade se comprometeu a regularizar a situação em até 90 dias, inclusive levando o assunto ao seu Conselho Universitário.

Segundo a legislação brasileira - Lei 6.454/77 - “é proibido, em todo o território nacional, atribuir nome de pessoa viva a bem público, de qualquer natureza, pertencente à União ou às pessoas jurídicas da administração indireta”. As providências mudarão o nome de clínicas, bibliotecas, anfiteatros, pró-reitorias, faculdades, museu e outros prédios que integram os campi de Campo Grande, Pantanal, Três Lagoas, Chapadão do Sul, Coxim e Paranaíba.

Mudança imediata

Em Campo Grande, o MPF pede que a  Biblioteca Central da UFMS seja renomeada imediatamente. Segundo a recomendação do MPF, “o imediatismo se explica sobretudo pelo que representa, um verdadeiro espaço do saber”.

A regularização dos nomes dos imóveis faz parte de uma série de Recomendações encaminhadas pelo Ministério Público Federal à UFMS, cujo objetivo é corrigir irregularidades e aprimorar procedimentos da Instituição de Ensino, garantindo melhores condições aos acadêmicos sul-mato-grossenses.

A íntegra desta e das demais Recomendações encaminhadas pelo MPF estão disponíveis para consulta pública e podem ser acessadas aqui.  Nelas são abordados temas como a qualificação de servidores e professores e fim do nepotismo; o cumprimento de carga horária por professores; a adequada prestação de contas de verbas públicas e necessidade de lisura nos procedimentos de licitação.

HU: Controle de ponto em 60 dias

Recomendação (confira aqui) também foi encaminhada ao Hospital Universitário (HU) da UFMS. O MPF solicitou a implantação de sistema de controle eletrônico de carga horária para os servidores - principalmente os profissionais médicos -“a fim de garantir o real cumprimento da jornada de trabalho pela qual são devidamente remunerados pelos cofres públicos”.

O HU informou que instituiu comissão multidisciplinar, formada por médicos, enfermeiros, assistentes sociais, técnicos de enfermagem, farmacêuticos, técnicos de laboratórios, assistentes administrativos, representantes do sindicato da categoria e de vários segmentos do hospital. O controle de ponto deve estar implementado em 60 dias.

 

Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul
(67) 3312-7265 / 9297-1903
(67) 3312-7283 / 9142-3976
www.prms.mpf.gov.br
ascom@prms.mpf.gov.br
www.twitter.com/mpf_ms

 

Ações do documento