Você está aqui: Página Inicial Serviços Sala de Imprensa Notícias 2013 01 MPF recomenda fim de trotes universitários em Mato Grosso do Sul

MPF recomenda fim de trotes universitários em Mato Grosso do Sul

última modificação 10/01/2013 13:12

Universidades podem ser responsabilizadas por atos violentos ou humilhantes. Num dos casos, jovem foi obrigado a beber gasolina.

O Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul (MPF/MS) recomendou às dez maiores instituições de ensino superior do estado que tomem providências contra o chamado trote estudantil, realizado dentro e fora das universidades, a fim de prevenir atitudes violentas, humilhantes e constrangedoras contra os novos acadêmicos.

As atividades de recepção aos novos acadêmicos, realizadas pelos antigos alunos, não  devem conter qualquer ação interpretada como violenta, humilhante ou constrangedora. A maioria das instituições de ensino do estado retomam as aulas no início de fevereiro.

As universidades devem promover medidas de segurança para impedir a prática de atividades violentas, humilhantes e vexatórias. Quando necessário, devem realizar a punição disciplinar das pessoas envolvidas em práticas agressivas, ocorridas tanto no interior das universidades como fora delas. O texto orienta que as universidades desenvolvam de forma permanente, campanhas de orientação sobre o trote estudantil aos estudantes. Caso não sejam adotadas as medidas recomendadas, o MPF poderá ajuizar ações contra os administradores das universidades. 

A recomendação foi encaminhada para Unaes (Centro Universitário de Campo Grande), UCDB (Universidade Católica Dom Bosco), FCG (Faculdade Campo Grande), Facsul (Faculdade Mato Grosso do Sul), UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), Anhanguera Uniderp, Estácio de Sá, Unigran (Centro Universitário da Grande Dourados), Uems (Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul) e UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados).

Forçada a beber, entrou em coma durante trote

Em 2011,  uma caloura do curso de nutrição da Universidade Anhanguera Uniderp foi obrigada a participar do trote. Segundo o boletim de ocorrência, após assistir duas aulas, a jovem teve os sapatos e a bolsa retirados e retidos por um grupo de estudantes, como forma de forçá-la a participar do trote.

Juntamente com outras garotas, a  estudante foi levada na caçamba de uma camionete por acadêmicos do curso de agronomia, até uma chácara nos fundos da Universidade, onde foi forçada a ingerir grande quantidade de bebida até entrar em coma alcoólico.

O pai da jovem foi contatado pelo celular da vítima por um estudante. Ao chegar na universidade viu a filha completamente embriagada, jogada ao chão. Tentou buscar ajuda com algum professor ou funcionário mas não conseguiu. Sem auxílio por parte da universidade, o pai levou a menor até a Santa Casa de Campo Grande, onde ela recebeu tratamento médico e foi liberada após 4 horas.

Em  resposta ao MPF, mesmo com o boletim de ocorrência registrado,  a Universidade Anhanguera Uniderp afirmou que não houve qualquer ato ou prática abusiva contra seus alunos. Segundo informações da coordenadora do curso de nutrição, os calouros tiveram aulas normalmente até às 11h de 22 de fevereiro de 2011. Mas o fato questionado à universidade ocorreu no dia 14 de fevereiro de 2011.

Em 2012, veículos de comunicação noticiaram que um estudante da UCDB teria sido obrigado por outros alunos a ingerir gasolina durante um trote realizado próximo à universidade. Em resposta ao ofício encaminhado pelo MPF pedindo informações sobre o caso, a instituição afirmou que não recebeu denúncia de nenhum acadêmico, e que não instaurou investigação sobre o ocorrido. A universidade garante ser contra a prática do trote universitário.

O estudante que se sentir agredido pela prática do trote pode denunciar o caso ao Ministério Público Federal, pessoalmente ou através do site www.prms.mpf.gov.br. É garantido o anonimato. 

Assessoria de Comunicação Social 
Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul 
(67) 3312-7265 / 9297-1903 
(67) 3312-7283 / 9142-3976 
www.prms.mpf.gov.br 
ascom@prms.mpf.gov.br 
www.twitter.com/mpf_ms

 

 
Ações do documento