Você está aqui: Página Inicial Serviços Sala de Imprensa Notícias 2013 05 Advogado de organização sindical rural responde na justiça por calúnia contra membro do MPF

Advogado de organização sindical rural responde na justiça por calúnia contra membro do MPF

última modificação 13/05/2013 13:45

Estratégia de desprestigiar a imagem do MPF tem a finalidade de prejudicar sua atuação

A Justiça Federal de Dourados recebeu denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra o advogado de uma organização sindical rural, que fez falsas acusações ao procurador da República Marco Antonio Delfino de Almeida. O advogado responde agora como réu em ação penal por calúnia, cuja pena é detenção de 6 meses a dois anos e multa.  

Para o MPF, a estratégia de desprestigiar a imagem do órgão é recorrente. “Adeptos da teoria de que 'a melhor defesa é o ataque' ou 'fogo se combate com fogo', pessoas físicas ou jurídicas prejudicadas pela atuação do MPF propõem levianamente um sem-número de ações (...) com o único propósito de tentar inibir a atuação da Instituição”.

O representante da organização ajuizou oito ações contra o procurador depois que o MPF expediu Recomendação a instituições financeiras (BNDES, Banco do Brasil e Itaú) que subsidiam empreendimentos em áreas que podem vir a ser reconhecidas como de tradicional ocupação indígena. A Recomendação visava alertar essas instituições que as propriedades rurais, localizadas em áreas de litígio, não poderiam ser usadas como garantia para os financiamentos, pois a Constituição Federal determina, no Artigo 231, que “São nulos e extintos, não produzindo efeitos jurídicos, os atos que tenham por objeto a ocupação, o domínio e a posse das terras (indígenas)". 

Para anular os efeitos da Recomendação, o advogado alegou nas ações judiciais ser “ato de absoluto desrespeito ao Poder Judiciário (...) contra expressa disposição de lei ("usurpação de competência")” Disse ainda que o procurador da República abusou de autoridade para satisfazer interesses pessoais. A acusação considerou o procedimento do advogado como calúnia, pois expedir recomendações é um dos instrumentos de atuação do Ministério Público, previsto na Lei Orgânica 75/93, Artigo 6º, XX: “expedir recomendações, visando à melhoria dos serviços públicos e de relevância pública, bem como ao respeito, aos interesses, direitos e bens cuja defesa lhe cabe promover, fixando prazo razoável para a adoção das providências cabíveis”.

 

Referência Processual na Justiça Federal de Dourados: 0004137-22.2012.403.6002

 

 

 

 

Assessoria de Comunicação Social 
Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul 
(67) 3312-7265 / 9297-1903 
(67) 3312-7283 / 9142-3976 
www.prms.mpf.gov.br 
ascom@prms.mpf.gov.br 
www.twitter.com/mpf_ms

Ações do documento