Você está aqui: Página Inicial Serviços Sala de Imprensa Notícias 2013 07 Entorno do Parque Nacional do Pantanal deve ter acesso liberado a ribeirinhos

Entorno do Parque Nacional do Pantanal deve ter acesso liberado a ribeirinhos

última modificação 23/07/2013 11:59

Recomendação do MPF orienta Ibama e ICMBio a permitir atividades tradicionais na zona de amortecimento do parque

Entorno do Parque Nacional do Pantanal deve ter acesso liberado a ribeirinhos

Para MPF, ribeirinhos devem ter acesso permitido à área de entorno do Parque Nacional para prática de atividades tradicionais. (Foto: Ascom-MPF/MS)

O Ministério Público Federal (MPF) em Mato Grosso do Sul encaminhou recomendação ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) para garantir aos ribeirinhos o direito de utilizar a área de entorno do Parque Nacional do Pantanal Matogrossense para a prática de atividades tradicionais. 

Os órgãos ambientais têm proibido o acesso dos moradores à zona de amortecimento do Parque Nacional e impedido o uso dos recursos naturais pelas comunidades ribeirinhas da região. Pesca, coleta de iscas, lenha e palha, mesmo consideradas de baixo impacto pelo próprio Plano de Manejo do parque, são proibidas em todo entorno da unidade de conservação.

Para o Ministério Público Federal, a proibição afeta não apenas a sobrevivência dos ribeirinhos, mas também a manutenção da cultura pantaneira. “As comunidades que ancestralmente ocupam o Pantanal têm, por lei, o direito ao pleno gozo e usufruto do meio ambiente que culturalmente construíram em suas relações com a natureza. Proibir a prática das atividades tradicionais é retirar-lhes direitos territoriais, fundamentais para o reconhecimento da cidadania dos ribeirinhos”.

O documento encaminhado destaca convenções, decretos e atos normativos vigentes no Brasil que asseguram aos povos e comunidades tradicionais seus territórios e o acesso aos recursos naturais que tradicionalmente utilizam para sua reprodução física, cultural e econômica. A legislação reconhece os sistemas de manejo praticados pelas populações ribeirinhas como fundamentais para a manutenção da diversidade biológica. 

Ibama e ICMBio têm 30 dias para responder ao MPF, justificando as razões em caso de não atendimento da recomendação. 

Práticas sustentáveis

No Pantanal, existem centenas de ribeirinhos que sobrevivem da pesca e da coleta de iscas. São moradores de comunidades tradicionais que vivem na região há várias gerações e tem no ambiente pantaneiro seu meio de trabalho e modo de vida. 

O Plano de Manejo do Parque Nacional do Pantanal Matogrossense reconhece a ocupação da área pelos ribeirinhos e contém extenso estudo sobre as comunidades tradicionais que habitam a região, concluindo pela sustentabilidade das práticas desenvolvidas pelos moradores. 

Apesar do reconhecimento da tradicionalidade, os conflitos entre ribeirinhos e servidores do Ibama e do ICMBio são frequentes, especialmente pela a proibição da pesca sustentável e da coleta de iscas no entorno das unidades de conservação.

Na visão do MPF, as ações são um contrassenso. “Se por um lado práticas tradicionais, de baixo impacto ambiental, são proibidas; por outro, atividades com potencial poluidor notadamente maior são autorizadas, como o uso de agrotóxico, a permissão de atividade pastoreira, o licenciamento de transporte de cargas perigosas, a queima para renovação de pastagem e o licenciamento de empreendimentos”.

Pantanal de MS

Pantanal de Mato Grosso do Sul (Foto: Ascom-MPF/MS)


Assessoria de Comunicação Social 
Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul 
(67) 3312-7265 / 9297-1903 
(67) 3312-7283 / 9142-3976 
www.prms.mpf.gov.br 
ascom@prms.mpf.gov.br 
www.twitter.com/mpf_ms

 

 
Ações do documento