Você está aqui: Página Inicial Serviços Sala de Imprensa Notícias 2013 07 MPF/MS consegue condenação de piloto que derrubou avião com meia tonelada de cocaína

MPF/MS consegue condenação de piloto que derrubou avião com meia tonelada de cocaína

— registrado em:
última modificação 23/07/2013 14:59

O crime foi descoberto após a queda na aeronave com 580 kg da droga

MPF/MS consegue condenação de piloto que derrubou avião com meia tonelada de cocaína

Acidente aconteceu na Serra do Amolar (Foto: Ascom-MPF/MS)

O Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul conseguiu decisão na Justiça Federal contra o piloto brasileiro Roy Rogers e o boliviano Edgar Belen. Os dois foram condenados, respectivamente, a 11 e a 7 anos de prisão, além de multa em dinheiro. O crime foi descoberto após a queda da aeronave em que os dois estavam, no pantanal sul-mato-grossense, a 10 km da divisa com Mato Grosso, com 580 kg de cocaína em março de 2011. 

A sentença atendeu aos pedidos feitos na ação penal do Ministério Público Federal. O piloto dono da aeronave e responsável pela carga, Roy Rogers Silva Ferraz, foi condenado a 11 anos e 11 meses de prisão e pagamento de R$38.364,48 pelo crime de tráfico de drogas e falsidade ideológica, por mentir no pedido de autorização de voo na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Edgar Belen Inturias, o ajudante de Rogers, foi condenado pelo crime de tráfico de drogas a 7 anos e 6 meses de reclusão e a pagar R$13.620,00. 

O crime foi descoberto após o acidente com a aeronave na Serra do Amolar, nas proximidades do Posto Militar do Exército Brasileiro em Porto Índio, no município de Corumbá. No local, os policiais federais, com a ajuda de militares, conseguiram localizar 580 kg de cocaína em volumes individuais de 1 kg. 

Para o Ministério Público Federal, o “fato de Roy Rogers estar com sua licença para pilotar vencida há mais de um ano deixa evidente que o piloto utilizava a aeronave para fins ilícitos (tráfico internacional de drogas)”. Além do tráfico de drogas, o MPF denunciou o réu pelo crime de falsidade ideológica por utilizar o nome de outros pilotos e operadores de voo para conseguir autorização perante a Anac. 

Colisão com árvores 

Conforme a denúncia feita pelo MPF, o avião partiu da Bolívia em março de 2011 em direção ao Brasil. A bordo estavam o piloto e responsável pelo carregamento Roy Rogers, o ajudante contratado na Bolívia, Edgar Belen e 580 kg de cocaína. O piloto sobrevoava o território brasileiro em baixa altitude, na tentativa de não ser detectado pelos radares do Departamento de Controle de Tráfico Aéreo (Decea). Por esse motivo, acabou batendo na copa de algumas árvores, vindo a colidir com o solo. 

Apesar das provas serem visíveis, os dois condenados tentaram se eximir da culpa. Roy Rogers contou outra versão às autoridades, alegando que teria sido sequestrado. “A aeronave caiu, eu senti o impacto, eu estava amarrado, sentado no assoalho, foi tudo muito rápido. Eu olhei e não vi ninguém, só estava eu dentro do avião”. 

Edgar Belen, de imediato, confessou que foi contratado na Bolívia para acompanhar o piloto no transporte da droga encontrada e que receberia mil dólares pelo trabalho. Mas, perante o juiz, o ajudante contou uma segunda versão, afirmando que não conhecia Roy Rogers e que ele teria sido pego à força na Bolívia, torturado e trazido ao Brasil contra sua vontade. 

Referência processual na Justiça Federal de Corumbá: 0000377-93.2011.403.6004





Assessoria de Comunicação Social 
Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul 
(67) 3312-7265 / 9297-1903 
(67) 3312-7283 / 9142-3976 
www.prms.mpf.gov.br 
ascom@prms.mpf.gov.br 
www.twitter.com/mpf_ms

 
Ações do documento

 

 

Ações do documento