Você está aqui: Página Inicial Serviços Sala de Imprensa Notícias 2014 12 MPF/MS: Suspensa licitação para pedágio na ponte sobre o Rio Paraná, entre MS e SP

MPF/MS: Suspensa licitação para pedágio na ponte sobre o Rio Paraná, entre MS e SP

última modificação 23/01/2015 11:04

Possíveis irregularidades em convênio entre a União e o Estado de Mato Grosso do Sul barraram o prosseguimento da seleção

O Ministério Público Federal (MPF) em Mato Grosso do Sul conseguiu liminar na Justiça Federal que suspende o procedimento licitatório para escolha de empresa concessionária para a exploração da ponte rodoferroviária sobre Rio Paraná. Na decisão, a Justiça considerou a possível nulidade do convênio de delegação entre a União e o Estado de MS, o que invalidaria a exploração da obra. 

A ponte, de 3,7 km de extensão, liga as cidades de Rubinéia/SP a Aparecida de Taboado/MS. Construída em 1998, com recursos do Estado de São Paulo, a parte ferroviária da obra ficou sob os cuidados da iniciativa privada, por meio de contrato de concessão. Já a parte rodoviária, foi assumida pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), que de 2009 a julho de 2014, investiu mais de R$ 3,5 milhões, por meio da Superintendência Regional no Estado de São Paulo.

Apesar de já assumir a conservação do trecho, o DNIT, em 2014, após manifestação de interesse pelo governo de MS, assinou o Convênio de Delegação nº 01/2014 para a administração e exploração da ponte. A justificativa do convênio foi a falta de manutenção da obra, “uma franca contradição ao informado pela Superintendência Regional de São Paulo, que relatou ter investido, nos últimos 6 anos, R$ 3.510.018,43 para manutenção e segurança das instalações e equipamentos elétricos da obra”.

Além da justificativa falha, o MPF destacou na ação outras irregularidades no convênio. O Estado de MS não apresentou estudos técnicos preliminares previstos em lei, que demonstrassem a viabilidade de execução do projeto, incluindo custos e benefícios para a definição de tarifas. Além disso, para o órgão ministerial, “não vai ao encontro do interesse público delegar a Mato Grosso do Sul somente o trecho da ponte, de 3,7 km, e cobrar pedágio sobre ele, se a BR-463/MS compreende ao todo mais de 14 km de extensão”. 

Na decisão cautelar, a Justiça atendeu aos pedidos do MPF e determinou a suspensão da licitação até ser examinada a validade do convênio de delegação. Caso o Estado de Mato Grosso do Sul não cumpra a decisão, multa diária de R$ 2 mil será aplicada.

Referência Processual na Justiça Federal de Três Lagoas: Autos nº 0004367-90.2014.4.03.6003

 

 

 

 

 

--

Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul
(67) 3312-7265 / 9297-1903
(67) 3312-7283 / 9142-3976
www.prms.mpf.mp.br
PRMS-ascom@mpf.mp.br
www.twitter.com/mpf_ms
Ações do documento